Protesto no CMEI Bracatinga, o Boa Vista: alerta para falta de funcionários (foto: Manoel Ramires)

Cerca de 20 educadores do CMEI Bracatinga (Boa Vista) paralisaram o atendimento por uma hora na manhã desta sexta-feira (23). Neste período, de forma improvisada, a diretora do Núcleo de Ensino Boa Vista e mais quatro pedagogas recepcionaram as crianças. Durante o ato, o sindicato informou aos pais sobre a falta de funcionários na creche, o que prejudica o atendimento, a aprendizagem e expõe as crianças a riscos devido ao excesso de crianças sob o cuidado de poucos profissionais.  Segundo o Sindicato de Servidores Públicos Municipais de Curitiba (Sismuc), o protesto no CMEI Bracatinga (Boa Vista) revela uma verdadeira operação “tapa- buracos” nos CMEIs realizada pelos Núcleos de Ensino da Prefeitura de Curitiba. O Sismuc apurou que educadores são deslocados com frequência de outras creches para ocultar a falta de funcionários na rede municipal de educação. Com isso, o CMEI que tem seu educador deslocado para acudir o problema de outro centro infantil sempre fica desfalcado.

O sindicato fez uma visita a um desses CMEIs que são utilizados como “tapa-buraco”. A creche possui seis educadores, mas sempre “perde” dois profissionais a pedido do núcleo. “Disseram pra gente que ia ser apenas uma vez, mais virou rotina”, denuncia uma educadora. O efeito disso é imediato no aprendizado: “Nossas crianças sentem dificuldade de adaptação. Tem dias que as crianças chamam pelo educador que foi emprestado”, revela outro educador. O Sismuc apurou que o núcleo telefona para os CMEIs com maior efetivo e “simplesmente manda buscar educadores”, em uma estratégia de puxa o cobertor de um lado e descobrir do outro. “O sindicato vai agendar encontros com essas creches que são utilizadas como tapa-buracos e informar quais são os seus direitos”, se compromete Ana Paula Cozzolini, secretária-geral do Sismuc.

“Os profissionais estão vindo trabalhar doentes, pois não há gente suficiente para atender”, denunciou o diretor do Sismuc, Juliano Soares, que amplia o problema: “E isso (funcionários doentes e falta de profissionais) ocorre em quase todos os centros infantis. A Prefeitura trabalha com quantidade de servidores reduzida e não prevê férias, faltas ou eventuais problemas de saúde”. Juliano recomendou aos pais que liguem ao telefone 156 da Prefeitura e reivindiquem a contratação de mais profissionais.

Os educadores do Bracatinga solicitam a contratação de pelo menos oito novos funcionários para amenizar os problemas. A creche fica aberta das 07h00 às 18h00 e atende cerca de 150 crianças. A mãe Lair Duarte Gomes, que tem quatro filhos neste CMEI, é solidária aos educadores: “Tá feio e não é de hoje, mas desde o começo do ano. Ontem (22/09), tinha um educador para trinta crianças”, reclama a mãe. Já outra mãe, Luciane Cangassu, critica a falta de vagas e o jogo de empurra aos quais as crianças são submetidas. “As crianças do Bracatinga que moram em Almirante Tamandaré vão ficar sem vaga no ano que vem. Mandaram a gente ir ao CMEI Lauro Esmanhoto em 04 de dezembro pra tentar uma vaga”, se aflige Luciane.

Para tentar camuflar a ausência de profissionais, o Núcleo de ensino Boa Vista deslocou outros quatro profissionais para hoje e prometeu destinar mais dois funcionários de forma fixa. Já os educadores do Bracatinga afirmam que podem fazer uma nova paralisação na próxima segunda-feira (26 de setembro) se a falta de funcionários não for suprida. “A falta de educadores no Bracatinga é um problema que atinge quase todos os CMEIs que devem denunciar ao sindicato as dificuldades em fazer atendimento às crianças”, incentiva Juliano Soares.

Fonte: Blog do Nikoska

ver outros comentários/artigos